Escassez de chuva preocupa produtores de milho

Com as lavouras de milho se encaminhando para a fase final de desenvolvimento no Rio Grande do Sul, aumenta a preocupação dos produtores com a escassez de chuva em algumas regiões. Na fase crítica, a cultura precisa deseis a sete milímetros de água por dia, segundo a Emater.

Apesar da precipitação do fim de semana ter amenizado a situação, algumas áreas de sequeiro apresentam perdas irreversíveis.

– Tenho conversado com diversos produtores, que relatam estragos pontuais de 10% até 50%das lavouras – conta Cláudio de Jesus, presidente da Associação dos Produtores de Milho do Estado (Apromilho-RS).

Segundo o dirigente, as regiões mais prejudicadas com a escassez de chuva são as de Cruz Alta, Ijuí, Panambi e Ibirubá. Em compensação, as plantações irrigadas apresentam alto potencial produtivo– com expectativa de recorde.

– O milho irrigado vai produzir muito bem. A abundância de sol e de água são perfeitas para a cultura. Neste ano não faltou luminosidade, como ocorreu no ano passado – destaca Jesus.

A abertura oficial da colheita do milho no Estado será no dia 28 de janeiro, em São Luiz Gonzaga, nas Missões.

Com preço atrativo, produtor voltará a aumentar a área do milho no Estado

Segundo o dirigente, as regiões mais prejudicadas com a escassez de chuva são as de Cruz Alta, Ijuí, Panambi e Ibirubá. Em compensação, as plantações irrigadas apresentam alto potencial produtivo– com expectativa de recorde.

– O milho irrigado vai produzir muito bem. A abundância de sol e de água são perfeitas para a cultura. Neste ano não faltou luminosidade, como ocorreu no ano passado – destaca Jesus.

A abertura oficial da colheita do milho no Estado será no dia 28 de janeiro, em São Luiz Gonzaga, nas Missões.

Fonte: http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/noticia/2016/12/escassez-de-chuva-preocupa-produtores-de-milho-8842249.html / Foto: Apromilho / Divulgação / Por: Joana Colussi